Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Patrono
Início do conteúdo da página

O Patrono

Publicado: Quarta, 12 de Abril de 2017, 15h40 | Última atualização em Quarta, 12 de Abril de 2017, 15h45 | Acessos: 914

General Médici

 

Síntese de sua vida militar

       O General Médici nasceu em Bagé-RS, em 4 Dez 1905, filho de Emílio Médici e D. Júlia Garrastazú Médici. Cursou o Colégio Militar de Porto Alegre no Casarão da Várzea de 1918-1924. Praça de 1° Abr 1924 na Escola Militar do Realengo, onde foi declarado Aspirante a Oficial de Cavalaria, em 7 Jan 1927. Serviu no 12° Regimento de Cavalaria em Bagé, de Fev 1927 a Out 1937, ou por mais de 10 anos . Era o oficial de Dia do 12° RC em 3 Out 1930, tendo aderido à Revolução de 30 e feito ligação entre militares e civis revolucionários em, Bagé, Foi comissionado Capitão pela Revolução, retornando ao seu posto de 1º Ten um mês depois. Comandou efetivos do 12° RC em operações contra a Revolução de 32. Capitão em 2 Out de 1934. Em 1937 foi ser Ajudante- Secretário da Escola de Comando e Estado Maior do Exército (ECEME) . Cursou a Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais (ESAO) de Fev a Set 1939. Serviu no 8° Regimento de Cavalaria Independente, Conde de Porto Alegre , em Uruguaiana, Set 1939 a Fev 1940. Foi instrutor da citada EsAO, Fev 1940 a Jul 1943, onde foi promovido a Major em 24 Jun 1934. Cursou a ECEME 1943-44. Serviu no Estado Maior da /3ª Divisão de Cavalaria em Bagé, de Mar 1944 a Jan 1950, por quase 6 anos, inclusive como chefe de seu Estado Maior , tendo ali sido promovido a Ten Cel em Jan 1950. Serviu no Estado Maior /3ª Região Militar de Jan 1950 a Set 1953, como chefe da 2ª Secão . (Informações) e Chefe de seu Estado Maior .Foi promovido a Coronel em Jul 1953, e comandou o Centro de Preparação de Oficiais da Reserva de Porto Alegre (CPOR/PA), de 16 Out 1953 a 27 Abr 1957. Chefiou mais uma vez o Estado Maior /3ª RM do Gen Div Arthur da Costa e Silva, de 29 Abr 1957 a 15 Mar 1960, quando nasceu forte amizade entre ambos. Exerceu a chefia do Estado Maior da 3ª Região Militar em três ocasiões.

 

       Foi subcomandante da Academia Militar das Agulhas Negras em Resende- RJ de 12 Abr1960 a 8 Ago 1961. Promovido a Gen Bda em 25 Jul 1961, comandou a 4ª Divisão de Cavalaria (atual 4ª Brigada da Cavalaria Mecanizada ) em Campo Grande- MS, de 29 Ago 1961 a Fev 1963. . Comandou a Academia Militar das Agulhas Negras(AMAN), de 4 Mar 1963 a 8 Mar 1964. Nela teve papel importante para o desfecho incruento da Revolução de 1964, evitando um choque na altura de Resende, de governistas do CML (ex-I Ex) e contra revolucionários do CMSE (ex-II Ex). Em 1º de Abril de 1964, o Gen Médici bloqueou a Via Dutra com fortes contingentes de cadetes nos quais as tropas do I Exército se recusaram a atirar, aderindo à Revolução e colocando-se sob as suas ordens . É um episódio importante da História da AMAN, em cujo Gabinete de Comando foi definido o destino vitorioso do Movimento Democrático de 31 de março 1964. Foi Adido Militar da Embaixada do Brasil em Washington e. Delegado do Brasil junto à Junta Interamericana de Defesa e lá integrou à Comissão Mista - EUA de 30 Jun 1964 a 21 Out 1965, onde foi promovido a Gen Div em 23 Jul 1965. A seguir foi Comandante da 3ª RM - Porto Alegre, 10 Dez 1965 a 9 Jan 1967. A seguir 1º Subchefe do Estado Maior do Exército no Rio de 30 Jan a 17 Mar 1967 e chefe do Serviço Nacional de Informações (SNI) no Rio (no antigo Ministério da Fazenda), de17 Mar 1967 a 16 Abr 1969. Foi promovido a General de Exército em 25 Mar 1969 e nomeado comandante do Comado Militar do Sul (ex III Ex) de 16 Abr a 20 Out de 1969 por cerca de 6 meses. Presidente da República e seu apoio ao culto da História do Brasil.

 

       Escolhido para Presidente da República em função da doença do Presidente Arthur da Costa e Silva, foi eleito pelo Congresso em 25 Out 1969, com 239 votos a favor, e 76 abstenções . O Presidente Médici, como Presidente da República, deu ênfase ao culto da História do Brasil. Apoiou e estimulou , como comandante do III Ex, o Parque Histórico Marechal Manoel Luiz Osório em Tramandaí- RS, e estimulou a seguir, como presidente, o Parque Histórico Nacional dos Guararapes, cujo planejamento, implantação e inauguração em 1970/71 tivemos o privilégio de coordenar de fato, por delegação do comandante do então VI Exército, o Gen Ex Arthur Duarte Candal da Fonseca. A atual sede do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, no Edifício Pedro Calmon, à Av. Augusto Severo, 8, no Rio, deve-se a sua sensibilidade. Pedro Calmon, em gratidão, reservou uma sala como Gabinete do Gen Médici que foi desmontada ao desaparecer Pedro Calmon, pela Diretoria que o sucedeu. Documentamos a projeção de sua obra no culto e divulgação da História do Brasil em nossa obra. Como estudar e pesquisar a História do Exército Brasileiro. Brasília: EME/EGGCF, 1978, ora em reeditada pelo EME e nas p. 14/15. A tomar posse como Presidente de Honra do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro em 1971 proferiu discurso onde destaco esta sentença: " Não se governa ou bem se comanda sem História e historiadores ."

 

        A seguir estimulou com pompa e circunstância as, comemorações do sesquicentenário da Independência do Brasil, promovendo o traslado para o Brasil dos restos mortais de nosso 1º imperador D.Pedro I e marcando-se a memória deste evento com a publicação de vasta bibliografia então produzida O Gen Médici casou com D. Sylla Nogueira Médici, com quem teve os filhos Roberto e Sérgio. Sua atuação como Presidente é amplamente focalizada pela imprensa da época. Sônia Dias e Leda Soares fizeram ampla abordagem de sua obra no Dicionário Histórico Biográfico Brasileiro FGV-CPDoc (v. 3, pp. 2159-2172), onde remetem o leitor a numerosas fontes. O biografou em 1973 o Gen Iberê Matos, em A imagem de um Presidente. Todas, obras para um julgamento sereno, no futuro, num projeto Verdade Histórica que se impões longe das paixões do momento e com possibilidade de contraditório ausente na conjuntura atual . Como Presidente conseguiu uma excelente identificação popular. Possuía um carisma todo especial. Faleceu no Rio, em 10 de Out de 1985, sendo velado no Clube Militar, onde comparecemos e testemunhamos fatos ali ocorridos. Sobre a atuação do Gen Médici como comandante da AMAN e dos demais setores da Academia, o Aditamento ao Boletim Interno /24 de Abr de 1964 com 6 anexos, a detalha. Fizemos considerações estratégicas sobre a posição de Resende nas revoluções de 1842, 1932 e 1964 em 1994 -AMAN - Jubileu de Ouro em Resende. V. Redonda: Gazetilha, 1994 p. 14-15). Focalizamos sua ação no CMS na obra de nossa lavra Comando Militar do Sul - 4 décadas de História. Porto Alegre: CML, 1995.

registrado em:
Fim do conteúdo da página